Thursday, March 6, 2008

"I will not eat oysters. I want my food dead - not sick, not wounded - dead."

Concordo com o Woody Allen: a comida estar morta é, de fato, imprescindível. E que ela não seja tirada de dentro de conchinhas era outro pré-requisito para mim. Era.

Mais um breakthrough culinário: como eu aprendi a gostar de scallops (vieiras). Sim, aquela coisinha que vem do mar. Essa foi graças ao Tom Colicchio (por sinal, um dos jurados do Top Chef, programa cuja primeira temporada o Harold Dieterle - que eu conheci e narrei aí em algum lugar na sessão "foodies" - ganhou), um dos melhores chefs da "América".

Foi no ultra-top Craftbar , na Broadway com a East 20th (Gramercy), final de janeiro, acho. Fomos (o Respectivo e eu) com o Jim e a Erin. No bar, antes de sentarmos à mesa (porque aqui em NYC eles sempre atrasam o serviço, mesmo com reservas feitas com meses de antecedência), a bebida mais sensacional que eu tomei em NYC (e, talvez, na vida): ginger martini. Sério, melhor até que a craftbar margarita (de grapefruit). Espetacular.

No jantar de verdade, nem lembro o que pedimos de entrada, mas era algo muito bom. Se não me engano foi Warm Pecorino Fondue with Acacia Honey, Hazelnuts and Pepperoncini e Cod Brandade with Picholine Olives. Prato principal, pedi algum prato de bacalhau. A Erin pediu o hanger steak que ela adora e os homens pediram Dayboat Scallops with Salsify and Marinated Mushrooms. Apesar de relutar em experimentar os tais scallops por conta da minha rejeição a todas as coisas que saem do mar dentro de conchas e tal, a reação de todos na mesa foi tão anormalmente transtornante (no bom sentido) que eu dei o braço a torcer...

Tá, confesso que foi uma das coisas mais gostosas que comi por aqui. Tanto que resolvi comer scallops novamente depois, no Perilla (do Harold). Igualmente bons. E até experimentei os scallops que vieram na mariscada que pedimos no Ipanema algumas semanas depois.

Mas voltando ao menu do Craftbar, a sobremesa foi igualmente loucamente espetacular: Brown Sugar Cake with Roasted Pineapple and Maple Cardamom Ice Cream. De morrer.

Muitos - muitos! - cifrões depois, saímos de lá com um dos melhores comas alimentares da vida! E eu, novamente, a caminho de me tornar um ser humano irreconhecível quando voltar ao Brasil. Mas juro que nunca vou comer ostras. Porque elas não estão mortas e este é um princípio inviolável da minha pequena (e ainda minimamente sã) existência.

5 comments:

Juliano said...

Que metida à besta, meu Deus...
Rsssssssssssss
Podia ter comido 26438257430957349 pratos com scallops aqui, e só foi comer em inglês. Hmpf muito.

As abóboras eu até deixei passar, que eu fingi que acreditei na sua explicação científica (aposto que o gosto é igualzinho :p).

AdrenAline said...

I know... essa cidade está acabando comigo e tudo em que eu acredito! Ugh!

Fred said...

nao te reconheço mais....
to com saudade de uma vaca e de uma porquinha(essa sendo voce)

AdrenAline said...

Porquinha é a *&%$#@!

Fred said...

na impossibilidade de dizer algo cristão, ela xinga HAUHAUHAUHUA

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0 Unported License