Thursday, April 24, 2008

The gardenhead knows my name


Finalmente voltei ao Jardim Botânico, desde o episódio "salto alto no mato". Desta vez usei chinelos. Talvez não a melhor opção, porque a caminhada até lá não é exatamente muito curta e chinelos não são lá muito confortáveis (ainda me sinto melhor se salto). Da próxima vez, vou ter que ir de tênis, mesmo.

O interessante foi a conversa que eu tive com a minha mãe a respeito da minha ida ao Jardim Botânico e a minha intenção de comprar uma annual membership. Via Skype:

Mamãe: Vc soube ou leu s/ terremoto aqui em SP? Foi no mar a 200km da costa de Santos,
10km profundidade mas foi sentido em várias cidades do estado, inclusive aqui na
capital.

Eu: é. eu soube. mas foi forte aí?

Mamãe: Eu não senti nada, mas na região sul, Paulista, pessoas sentiram. A Mônica disse que sentiu.

Eu: defina "sentiu"... tipo, quebrou alguma coisa e tal, ou o povo só sentiu um chacoalhãozinho? (a notícia da semana, pra mim, ainda foi o padre voador à la Ulysses Guimarães)

Mamãe: Sentiu um balanço. Em algum lugar, não lembro onde, acho que no interior - Sorocaba -, uma casa teve rachaduras grandes.

Eu: hum...

Mamãe: E o Pe. continua desaparecido. Me lembrou o último epsódio do Men in Trees quando o Patrick resolveu voar e fez exatamente o que o tal padre fez. Amarrou vários balões em um cadeira e saiu voando. Tenho que assistir hoje para ver o resultado.

Eu: excelente. vou ao jardim botânico hoje á tarde. estou pensando em comprar uma membership...

Mamãe: Eu sei, seu sei. Vc está trabalhando mas lembrei disto. Membership, what for?

Eu: anual. é 75 dólares. mas, se comprar dual membership é 100 (50 pra cada) vou ver se alguém quer. porque, olha: quero ir a 2 exposições lá esse mês: uma do Darwin (com palestras e tal) e outra de esculturas do Henry Moore. Cada uma custa 20 dólares. por 75 (ou 50) eu posso ir a todas as exposições e ainda ter acesso livre durante um ano.

Mamãe: Ah bom. Agora entendi. Vc não é muito de mato, então não estava entendendo.

Eu: não é mato. é jardim. e lá é bom pra ler. por isso é que vou lá hoje à tarde. tem bancos e tal. e sombra.

Mamãe: Eu sei mas sempre tem bugs. OK. Entendi, ar puro. Não esquece de respirar fundo.

Eu: é... porque o ar aqui do Bronx é bem limpinho... e nem tem muitas bugs lá, não... acho que eles jogaram Napalm antes de fazer o jardim botânico.

Mamãe: Mas as plantinhas filtram a poluição.

Eu: filtram nada!!! isso aí é mentira... que nem quando falam que leite faz bem. lenda urbana.

Mamãe: Tá bom, tá bom. Mas pelo menos o visual deve ser legal.


...etc. Atente para o "vc não é muito de mato" e "mas sempre tem bugs". Quem me conhece - e conhece o humor peculiar da minha mãe - vai entender que esse diálogo foi equivalente às conversas que eu tenho com as vozes dentro da minha própria cabeça. E, não, eu não sou esquizofrênica.


(Preciso de um novo par de tênis...)
(Ah, e essa foto aí eu tirei lá, hoje mesmo.)

4 comments:

Juliano said...

Huahauah - Parece que você skypou com o espelho.

Vamos ficando cada vez mais parecidos com os pais - estigma inevitável (quanto mais me dou conta, mais risada dou, menos tento fugir, e, ah... Ainda bem que vamos nos aprecer com pessoas legais - bem mais que os pais dos outros)!

Qualquer dia te ouço dizendo "Ei, garoto!"

AdrenAline said...

"Ei, garoto" not gonna happen. I hope! Especialmente porque me lembra o Seginho (ugh!) Groisman... haha

Fred Sorin said...

eta doença da prim'aline

C.Dias said...

O pior é que lendo seus posts no Twitter tive o mesmo pensamento da sua mãe, tipo " Essa coisa de mato, plantinha, bugs não é muito a cara da Aline... What's the catch?" aí quando vc falou das exposições a ficha caiu. Ufa! Achei que já ia perder mais uma amiga para o mundo das grandes aventuras naturais. But fortunately you're still you, thanks! :-)

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0 Unported License