Sunday, March 29, 2009

Monday, March 23, 2009

Let's get out of this country (or, my ten days in Belgium)

Se é que alguém ainda lê isso aqui, esse coitado deve ter percebido que eu não me dignei a postar nada nos últimos dias. O motivo foi uma justa e merecida ausência de NYC. Passei os últimos dez dias na Bélgica, para onde fui por conta de uma conferência (dentre outras coisas). O motivo deste post de madrugada é que eu voltei para NY ontem à tarde, e com o bom e velho jetlag (o tempo estava 5 horas à frente na Bélgica), fui dormir às 20h, EST (horário do leste dos EUA), razão pela qual acordei gloriosamente às 4h da manhã hoje. E viva!

A conferência foi na Antuérpia, mas eu aproveitei para fazer um tour geral da Bélgica (Bruxelas, Lovaina - Louvain ou Leuven, em francês e holandês, respectivamente -, Gante - mais conhecida como Gent -, e Bruges, onde fomos procurar anões).

Anedotas da viagem e as inevitáveis comparações com os franceses virão aos poucos, nos próximos dias.

O comentário do dia é que, de maneira geral, os belgas são franceses que deram certo. Eu sempre achei que à França (aos franceses, na verdade - em especial aos parisienses) falta um pouco de tolerância, bom senso e humildade. A minha idéia é que se o mano Hitler tivesse entrado com tudo pra cima dos amiguinhos do Astérix e destruído aquela porra toda (torre Eifel, parte - ok, não tudo, mas parte - da fortaleza que hoje é o Louvre, etc.) e deixado muito menos do que deixou (é, o titio Hitler arregou no quesito França!), os franceses teriam menos para esnobar o mundo. Nunca pude confirmar essa teoria, porque pode ser um simples fato da constituição genética (social?) dos francófonos do Velho Mundo que eles sejam assim. No entanto, após visitar a Bélgica, minha teoria ficou praticamente comprovada. 

Os belgas foram muito mais arrasados pelas duas guerras mundiais (sem contar o resto dos rebus que rolaram na Europa antes do século XX), aprenderam a lidar com o fato de que falam "septante" em vez de "soixante-dix" e "nonante" em vez de "quatre-vingt-dix", engoliram o orgulho e se tornaram franceses plus

Outra diferença importante é que, diferentemente dos parisienses, que reclamam por esporte, os belgas são críticos - e não saem apoiando ninguém politicamente por pura xenofobia. 

Falem o que quiserem, mas, é óbvio que, em Paris, xenofobia é o esporte oficial. Essa foto aí é de uma manifestação que estava rolando na entrada do prédio da bolsa de valores em Bruxelas. Em Paris, não teria acontecido - a não ser que fosse contra os árabes, a única coisa que parece coerente com o vocabulário do soixante-dix, quatre-vingt e afins. I rest my case.

Monday, March 16, 2009

You always saw the blue skies

I'm turned around and lost out here again
Feeling like there's no way out and without you no way in
Where are you my friend?
I know how hard it is to keep from crying out loud
To look up in the sky and see nothing but clouds
The last thing you said "you know my hope never dies"
No matter how dark it was you always saw the blue skies

Oh I'm sick and tired of yesterday
I think of all the times I chose the worst things and I threw the best away
What would you say?
I know how hard it is to keep from crying out loud
To look up in the sky and see nothing but clouds
The last thing you said "you know my hope never dies"
No matter how dark it was you always saw the blue skies

I just hope this road keeps turning
'Til I find a place to end this yearning

Where are you my friend?
You know how hard it is to keep from crying out loud
To look up in the sky and see nothing but clouds
The last thing you said "you know my hope never dies"
No matter how dark it was you always saw the blue skies

No matter how dark it was you always saw the blue skies

O bom do brega. Bonnie Tyler. You always saw the blue skies.

Friday, March 6, 2009

Magnificent (or, you love this town, even if that doesn't ring true)


Eu sei que quem está me acompanhando no twitter deve estar cansado de saber, mas...

Hoje acordei cedinho (5h00 - sim, 5h00 da manhã!) e fui para o campus. Ia ter um show, tal. Das 5h00 às 6h30, foi servido café da manhã para todos os alunos. Depois, fiz uma hora aqui, bati um papo ali e o show começou às 8h00 em ponto. O setlist? Lá vai:

“Get On Your Boots”
“Magnificent”
“I’ll Go Crazy If I Don’t Go Crazy Tonight”

“Beautiful Day”
“Breathe”
“Vertigo”

Talvez o nome de algumas músicas ainda não signifique muito, já que fazem parte do recém-lançado ábum, mas tem duas um pouco (bem pouco) mais antigas que dão a dica: sim a banda foi "a little combo from the North side of Dublin called U2."

O Fr. McShane, presidente da universidade, resumiu a história: "Is U2 playing at Columbia? Are they playing at Georgetown? Are they playing at Notre Dame?" Pois é.

Bom, a coisa toda aconteceu no gramado em frente ao Keating Hall (o palco foi montado na escadaria do mesmo prédio). Eles tocaram das 8h00 às 9h00 da manhã, com algumas interrupções para entrevistas, porque o show foi ao ar ao vivo no programa Good Morning America.

U2, de graça, para apenas 4000 pessoas. Não preciso nem dizer como foi. Dá pra adivinhar.


E agora eu acumulo duas histórias sensacionais de como/quando vi o U2 ao vivo. Apesar de não ter ido ao show em 1998 (afinal, o álbum Pop, que me desculpem, foi o maior erro do U2 - ever - com Discothèque levando o prêmio de pior música) em São Paulo (nem em 2006), pude ver a turnê Vertigo em Berlin, em 2005, naquele show que foi justamente no dia dos atentados terroristas em Londres e tal.

Acho que isso hoje fez os oito anos e meio estudando em universidades católicas valerem mais a pena...

Thursday, March 5, 2009

You'll find a way

Go ahead, you know you want it
You'll have no other way
you just want to take us down
go ahead,
I'll be the one hit
If I can take you, boy, it just might throw this town
Oh, you want to get it
You make us bleed, it'll prove there's life somewhere
And oh, no, I want to yell it
but do we speak or are we just nodding our heads
No way, not me, what you got, 
it's not for me, but you'll find a way
no way not me, what you got, 
it's not for me

Don't reach too far
You will fall over
Don't be surprised what you discover
Don't fear your call
Can't pull us under
You better watch out, run for cover

We see right through it
You get what you give, you get what you give

Go ahead
I'll be your junkie
I'll be deplete, you can heap all rubbish here
Go ahead, now dump it on me
if I go quiet will the itch go down with me
Oh, you got to get it
nevermind that it was never there nowhere
but oh, no, not for a minute
for now you'll make your bed
and it will wait, I swear

No way, not me, what you got, 
it's not for me, but you'll find a way
no way not me, what you got, 
it's not for me

Don't reach too far
You will fall over
Don't be surprised what you discover
Don't fear your call
Can't pull us under
You better watch out, run for cover

We see right through it
You get what you give, you get what you give

Tell them that they'll get what they wanted, tell them
Tell them that they'll get what they wanted.
'Til then....


(Santogold. You'll find a way. Bom remix aqui.)
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0 Unported License