Thursday, May 7, 2009

She can't sleep no more (or, not the swine flu)

E aí que acordei às 5h51 da manhã e não peguei mais no sono. Naquele estado meio sonolento, meio psicótico de quem não dormiu muito - aquele estado em que você é capaz de conversar com pessoas com a mesma clareza de um mendigo que andou fumando crack - comecei a pensar se as buscas no google pela gripe do porco iriam dirigir mais pessoas ao meu blog. "Pork on my Eggos", tal, sacou?

É, só que vamos voltar um pouquinho a história (mesmo porque eu me recuso a comentar essas coisas triviais e que não giram em torno do meu próprio umbigo, como a gripe do porco): eu acordei às 5h51 da manhã!

Aí, vocês perguntam: coloquei o despertador pra tocar? (Não!) Então, por que raios você acordou tão cedo? Ou por que não voltou a dormir?

Pois é, das mazelas de se morar em NY... Entendam: quando vim morar aqui, abandonei 2 hábitos terríveis: comer três refeições ao dia e dormir. Vejam: não é que abandonei o hábito de dormir 8 horas por dia (acho que desde, sei lá, o colegial - que, na minha época ainda se chamava colegial - não durmo 8 horas por dia); simplesmente abandonei o hábito de dormir. Altogether.

Não é coisa de filme: há sirenes e barulhos improváveis partout - e o tempo todo - em NY, não importa o borough. Além disso, há a luz. A luz! A janela do meu quarto está na direção leste, ou seja, de manhã cedo, é uma claridade infernal (apesar da persiana) e, à noitinha, completa escuridão. Bom, numas. Completa escuridão até que seria bom à noite. Só que é claro que tem um poste que parece um daqueles holofotes do Anhembi exatamente ao lado da minha janela. E eu tenho uns vizinhos cuja versão de "festa no apê" é "festa na varanda". A varanda, no caso, fica imediatamente embaixo da minha janela. E eles cantam. Bêbados que cantam, saca? Bêbados que cantam são os equivalentes metropolitanos do fênomeno urbano comum conhecido como "gatos em processo de cópula"

Enfim, tudo isso para dizer que eu não ligo pra gripe do porco. Eu só queria dormir um pouquinho...

1 comment:

Paulo Tiago said...

Engraçado que aqui em casa sempre que tem "festa no apê" fica gente na sacada, mas sem cantar... o Athos, por sinal, uma vez ficou lá fora filosofando, mega bêbado, e disse "Eu sei que eu sou bonito mesmo"! hahaha E tem testemunhas!

Foi impagável, mas como isso seria o equivalente a quê?

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0 Unported License