Friday, May 7, 2010

Consolation prizes (or, hair down)

Na quarta-feira, antes do show do Shout Out Louds, tive um dia infernal, como parece ser o padrão recentemente.

No final de semana passado, meu secador de cabelo quebrou. Está certo que o nível de tragédia que isso geralmente indica não é tão grande, já que eu tenho um secador de cabelo reserva (aqui em NY, tinha um oficial e um reserva - em São Paulo, tenho um oficial e uns 3 reservas! E, acreditem, um dia todo mundo precisa de secadores-reserva!).

Só que o meu secador reserva não tem bico difusor, nem bico concentrador. É um daqueles secadores dobráveis, de viagem, tal. E eu não tenho escova redonda (daquelas de fazer escova) aqui. E eu não corto o cabelo desde janeiro, quando a cabelereira a que eu fui em Grandmaville, FL, decidiu que o meu cabelo era um playground. Enfim, o cabelo está sem corte, não tenho um secador decente, nem escova boa. Isso dá uma idéia do nível da tragédia.

Até aí, tudo bem, porque faz uns 5 anos que eu saí daquela fase de me preocupar em deixar eu cabelo perfeitamente alinhado à la Jennifer Aniston. E, para todos os outros dias, existe elástico de cabelo. Pelo menos até meu secador novo chegar (comprei pela internet - uma dessas maravilhas da Amérika).

Quarta-feira de manhã cedo, entrei no banho, lavei o cabelo e lembrei que... dentro de seis horas teria que estar em uma cerimônia de premiação na faculdade, onde eu não apenas receberia um prêmio, mas teria que apresentar outros quatro!

Já tinha separado meu vestido (um cocktail dress de seda do Elie Tahari) e minha sandália, mas tinha esquecido a juba. A solução? Bobes! Sim, resolvi adotar a tática old school. Sequei meu cabelo com o secador reserva e, para dar forma, usei os bobes.

Enquanto isso, notei que o meu vestido estava completamente amarrotado. E, acho que ainda não comentei aqui, mas meu maior medo em me mudar da casa dos meus pais não foi lavar louça, fazer comida, tal - isso se resolve. Meus maiores medos eram: lavar roupa (parcialmente superado - embora, confesso, às vezes compro roupas novas para não ter que lavar roupa tão cedo!) e passar roupa. Não é que tenha horror a passar roupa (tenho horror, isso sim, a lavar roupa): eu simplesmente não tenho a menor habilidade e tenho um pavor eterno de queimar minhas roupas.

Mas que fique registrado: eu tenho dois ferros de passar roupa (igual ao secador de cabelo: um oficial e um reserva), mas não sei usar nenhum!

Liguei para a mamãe para dar os parabéns a ela (aniversário...) e aproveitei para perguntar se eu podia passar seda - e como fazer. Entenda a cena: eu de roupão e bobes no cabelo, munida de um ferro de passar roupa. Trágico.

Ok, tentei passar o vestido. Primeiro do avesso. Sem bons resultados: o forro do vestido ficou lisinho, uma maravilha; e a frente continuava parecendo que tinha sido atropelada por um trem. Virei do lado certo e me arrisquei. Tá, ficou decente. Acho que o que de fato aconteceu não foi que eu consegui alisar o vestido - mas, sim, que passei tanto tempo olhando para ele que acabei me acostumando com o amassado.

Tirei os bobes, me vesti e... ok, os bobes funcionaram até que bem (virei fã!), mas a parte da frente do cabelo estava tão amassada quanto o vestido. Era hora de usar armas extremas: a chapinha!

Pasmem: chapinha eu só tenho uma (aqui em NY - porque em SP eu tenho duas... Ha!), mas também não sei usar direito (especialmente porque meu cabelo geralmente tem aquele visual natural de "grudado na cabeça", tornando a chapinha completamente dispensável). Só tenho a chapinha para essas situações de emergência do tipo: tenho uma reunião de manhã cedo, acordei atrasada e meu cabelo parece que saiu diretamente de um filme com a Molly Ringwald.

Completa falta de habilidade com o equipamento - porque tenho medo de queimar meu cabelo ou minha testa (como via minhas coleguinhas fazerem no colegial: chegavam na escola com aquela faixa queimada na testa - não precisava nem perguntar o que tinha acontecido...). Consegui consertar a parte da frente do cabelo com danos mínimos (ok, queimei um pouco um teco da orelha, mas eu tenho uma planta Aloe vera em casa, que deu jeito na coisa rapidinho, sem deixar a marca de colegial-de-cabelo-ruim).

E bora começar o dia. Primeira parada: Union Sq. Logo depois: cerimônia de premiação.

As fotos trágicas da cerimônia devem estar disponíveis em breve (aí eu coloco o link aqui). Enquanto isso, fica registrado meu prêmio, para atestar que grau de escolaridade não tem nada a ver com sabedoria prática:

No comments:

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 3.0 Unported License